quinta-feira, 15 de março de 2012

São Paulo, a cidade proibida


[Para ler ao som de Negro Drama, dos Racionais, com o grupo Vesper Vocal: Ouça]

A onda proibitiva em São Paulo começa com José Serra, continua com Geraldo Alckmin e ganha sua personificação mais bizarra com Kassab, que fez do não a marca de seu governo. Algumas poucas proibições poderiam ser justificáveis se não escondessem intenções higienistas nas entrelinhas. Outras são completamente estapafúrdias, como veremos a seguir.
Em São Paulo foi criada a Lei Antifumo, que se alastrou pelo Brasil como um câncer. O argumento de que a fumaça do cigarro alheio em ambientes fechados causaria malefícios à saúde do “fumante passivo” esbarra no direito individual quando regulamenta valores por meio da lei. Por que alguém não tem o direito, por exemplo, de abrir um bar exclusivo para fumantes ou de manter uma área reservada para eles? Em São Paulo é proibido fumar até na calçada, se houver um toldo ou cobertura sobre vossa cabeça.

Anúncios de outdoors foram vetados. A Lei Cidade Limpa é positiva quando objetiva reduzir a poluição visual na capital. O problema é o modelo de implantação desta lei, pois hoje qualquer cidadão está proibido de estender à frente de sua casa uma placa ou faixa com qualquer mensagem, inclusive (e a meu ver principalmente) de protesto contra o descaso do governo. Se alguém quiser protestar contra buracos na rua do bairro terá que pedir autorização da prefeitura. O que será negado, por óbvio, constituindo assim um veto indireto à liberdade de expressão.

Chegou a ser proibida a circulação de motos com mais de uma pessoa. O argumento para vetar o “carona” na garupa é de que este poderia ser um assaltante. Como os assaltos praticados por duplas sobre motos são comuns, decidiu-se proibir duas pessoas de dividirem a mesma moto ao mesmo tempo. A iniciativa lembra aquela piada do marido que pegou a mulher com outro no sofá e, para se livrar do problema, vendeu o sofá. Felizmente a lei foi derrubada: feria o direito de ir e vir assegurado pela Constituição Federal.

Outra envolvendo motos: veículos de duas rodas foram proibidos de circular na Avenida 23 de Maio, sem justificativa plausível. A decisão foi revogada pouco tempo depois porque não tinha consistência.

Também foi proibida a circulação de caminhões nas marginais. Agora, esses veículos precisam usar o Rodoanel da CCR (empresa de amigos de José Serra) e pagar o pedágio, se quiserem trabalhar. Recentemente, caminhões proibidos de circular pela Marginal Pinheiros pararam temporariamente de fornecer combustível para os postos de gasolina de São Paulo, como forma de protesto.

A paranóia com os assaltos fez com que o uso de celular fosse vetado dentro de agências bancárias.

A paranóia com a saúde proibiu médicos de usarem jaleco fora do hospital.

Mas a melhor foi a proibição do ovo mole nos botecos da cidade. Para evitar que o cliente contraia uma intoxicação causada pela salmonela.

Cúmulo da falta do que fazer, o molho à vinagrete foi proibido nas pastelarias. Para não contaminar o pastel com bactérias malvadas.

A paranóia com o silêncio levou à proibição do tradicional pregão nas feiras livres. Os comerciantes não podem mais divulgar suas ofertas em voz alta, como é costume no Brasil desde 1500.

Da mesma forma, cobradores de lotação não podem mais informar o destino do veículo gritando para fora da janela, atitude que facilitava a vida de deficientes visuais e de analfabetos.  

Por incrível que pareça, não são mais permitidas bancas de jornal no centro de São Paulo, pois, segundo a prefeitura, as banquinhas poderiam ser usadas como "fortalezas e esconderijos de assaltantes em fuga".

Proibiu-se o uso de câmeras fotográficas nos terminais de ônibus.

As câmeras estão proibidas também no metrô.

Também proibiram a venda de quentão e vinho quente nas festas juninas das escolas.

Para salvaguardar a saúde de nossos jovens, refrigerantes e frituras foram vetados nas cantinas dos colégios.

Pobres estudantes: matar aula está proibido em São Paulo. Com ordem da prefeitura, PM sai à caça de alunos gazeteiros, que acabam dentro do camburão, como marginais.

Não se pode mais beber cerveja nos estádios de futebol e nem levar bandeiras para torcer pelo seu time.

Recentemente, a paranóia com o meio ambiente proibiu o uso de sacolas plásticas nos supermercados. A lei foi derrubada porque contrariava os direitos do consumidor.

Mais: está proibida a doação de material reciclável para catadores. Isso mesmo: doação!

Os artistas de rua estão proibidos de se manifestar na Avenida Paulista e em outras regiões nobres da cidade. Os que ousam mostrar sua arte em público, dos malabaristas às "estátuas vivas", são violentamente reprimidos pela PM.

A última da onda repressiva é a lei, já aprovada pela assembléia legislativa, que proíbe o consumo de bebida alcoólica em áreas públicas, como bares, calçadas, praças e praias. Se for sancionada pelo governador – e tudo indica que será – ninguém poderá beber sua cervejinha despreocupadamente na rua.

Isso sem falar nas vergonhosas rampas antimendigo instaladas sob os viadutos e pontos estratégicos para impedir que moradores de rua durmam naqueles locais.

Também foi proibida, pelo então governador José Serra, a venda de bananas por dúzia, como sempre foi feito nas feiras. Agora, em todo o Estado, a banana só pode ser vendida por peso. Quem insistir, poderá ter seu comércio multado.

A prefeitura de São Paulo se meteu ainda em uma cruzada contra as bancas de jornais. Isso mesmo: para forçar o fechamento das bancas na Praça da Sé e outros pontos da cidade, Gilberto Kassab está proibindo os donos de vender produtos como guarda-chuvas, chocolates e publicações "atentatórias à moral". Não acreditam? Leiam aqui.  

Kassab também não gosta que pobres socializem em espaços culturais criados por eles. Por isso tem proibido os saraus nas periferias. Um dos mais antigos e tradicionais, o Sarau do Binho, na região do Campo Limpo, foi fechado recentemente, à exemplo de espaços culturais semelhantes no Bixiga e na Brasilândia. Todos tinham uma característica em comum: eram espaços de resistência do movimento hip-hop. 

O trabalhador informal também é tratado como criminoso em São Paulo. Kassab cancelou as permissões de trabalho de todos os camelôs da cidade

Proibição das mais cruéis é a que pretende proibir a distribuição de comida para moradores de rua. As entidades assistenciais que entregam todas as noites o "sopão" para pessoas que não têm nada na vida, são os alvos preferenciais. Kassab espera, com isso, forçar os mendigos a saírem das ruas e se internarem nos  albergues da prefeitura, que são péssimos e oferecem comida de baixa qualidade. 

Kassab também não permite a distribuição gratuita de livros. Pelo menos foi o que aconteceu quando uma ONG, que se dedica a promover o gosto pela leitura, tentou doar livros usados para os transeuntes no Centro de São Paulo.

Andar de skate na praça Roosevelt? Nem pensar

O jornalista Rodrigo Martins, da Carta Capital, foi muito feliz quando definiu, em seu artigo Cervejaço contra a caretice: "São Paulo é uma cidade de loucos exatamente pelo fato de negar a seus habitantes o direito à cidade".

61 comentários:

  1. Post que toca no cerne do socialismo. Quando o bom senso falha cabe ao estado definí-los.

    ResponderExcluir
  2. para prefeita vote Soninha !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Soninha faz parte da gestão Kassab. Abre o olho vc está sendo manipulado.

      Excluir
    2. Tinha que ser matéria da Carta Capital ou, leia-se Pt e a funesta intenção eterna de conquistar a cereja do bolo chamada São Paulo. Terceiro mair orsamento do país.

      Excluir
  3. proibiram os puteiros tb!

    ResponderExcluir
  4. Engraçado:
    O povo reclama reclama reclama, mas quando aparece alguém tentando mudar as coisas eles falam merda..
    Num da pra entender esse povo brasileiro

    ResponderExcluir
  5. ainda bem que proibiram o fumo em bares e qualquer lugar. concordo com a proibição de refrigerantes e salgadinhos no colégio....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também concordo e sou fumante. Também não fumo na sala da minha casa por dividi-la com não fumantes, então pq eu faria isso em outro lugar?
      Concordo que existem muitos absurdos, no entanto achei o autor quase prolixo em alguns pontos.

      Excluir
    2. Também concordo!

      Excluir
    3. Em alguns pontos? Chamar a pessoa que escreveu isso de autor é uma piada.

      Em qualquer sentada na privada se faz obra igual...

      Excluir
    4. gente, vcs acham MESMO que proibir é solução? vcs querem MESMO perder as possibilidades? pois eu que sou fumante adoraria umas tabacarias pra ir fumar, eu que educarei meu filho prefiro que ele tenha a opção de comer ou não fritura e tomar coca cola. o governo é pai de vcs? pois não é meu. nem de longe essa sociedade me educou.

      Excluir
  6. sobre a proibição de caminhões na av Bandeirantes:

    Venham ver o inferno que se transformou a Estrada do Alvarenga, que corta bairros pobres e intensamente populosos.
    Ela começa quase no final da Av Naçoes Unidas e vai até São Bernardo, sendo agora utilizada como caminho alternativo por caminhões que chegam pela marginal em direção à Santos.
    Penaliza-se um povo sofrido, que fica horas e horas apinhado em ônibus nas imensas filas que se formam durante o dia todo nessa via.
    Imaginem um coletivo lotado ,num percurso de 20 km do centro de São Paulo até o bairro e aproximadamente 3 hs de viagem...
    Na Bandeirantes não pode, pra nao atrapalhar o tânsito dos carros(?), mas na Estrada do Alvarenga ,lugar de ônibus,de povo humilde, rua de mão dupla, que absolutamente não comporta isso...PODE!

    Salve-se quem puder!

    Izabel Schneider

    ResponderExcluir
  7. classe média sofre hein?? burguesia se mostrando... e pior apoiando esse facista.

    ResponderExcluir
  8. Achei o texto bem parcial. Sou contra muitas medidas proibitivas do Kassab também. Porém assumir como exagerada a preocupação do estado ao proibir o uso de jaleco fora de hospitais? O ovo mole com salmonela? Refrigerantes nas escolas? Isso é saúde pública, um assunto que deve sim ser debatido, mas com a mente um pouco mais aberta a realidade e com menos extremismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo! O problema é o extremismo!
      Apóio a questão dos jalecos e a questão dos alimentos nas escolas, por exemplo. Mas a proibição de motos com 2 pessoas foi um dos absurdos feitos por este governo, que consta como maioria.

      Excluir
    2. E proibir a distribuição dos sopões não fere direito nenhum? É sempre bom olhar para as medidas que foram benéficas para cada um e achar que tá tudo lindo. Comia a porra da coxinha frita na cantina da escola todos os dias e estou aqui, vivinha da Silva. Eu quase morri foi quando dependi do SUS pra um tratamento ou quando quebrei a minha perna virando o pé na calçada de uma rua. Ora, o Kassab deveria proibir as calçadas também.

      Excluir
    3. E o uso de celulares dentro de agências bancárias não é paranoia !
      A restrição para os caminhões é em horário de pico e beneficia milhares de trabalhadores que fazem o mesmo trajeto para chegarem aos seus trabalhos.

      Excluir
    4. é então continuem alimentando os mendigos, pois não é na porta da sua casa que eles dormem, não usam drogas e transam nas calçadas na frente dos seus filhos, não assaltam você quando chega tarde do trabaho! venha morar no centro e veja a beleza que é.
      a comida dos albergues é de baixa qualidade? e o sopão é coisa fina né? =)
      muitos não tem opção, mas a maioria não quer sair daquela vida

      Excluir
    5. Não importa se os moradores de rua querem ou não sair daquela vida. O que está em discussão é a crueldade de se proibir que sejam alimentados por entidades assistenciais. Qual é a solução que você sugere? Matá-los de fome? Incinerá-los como fizeram os nazistas com os judeus? Não percebe que esconder a miséria em vez de tratá-la só adia o problema? Se você não quer moradores de rua na porta da sua casa deveria exigir que o governo cuidasse dessas pessoas -- e não falo de dar sopa não, sopa é só um paliativo para a falta de políticas públicas de combate à pobreza. Repressão não adianta nada, você expulsa uma família e chega outra mais numerosa; você bate em alguém e amanhã esse alguém vai rasgar o teu pescoço no sinal; você mata mil pessoas de fome e nascem duas mil para lembrar que você perdeu, playboy.

      Excluir
    6. Não importa se os moradores de rua querem ou não sair daquela vida. O que está em discussão é a crueldade de se proibir que sejam alimentados por entidades assistenciais. Qual é a solução que você sugere? Matá-los de fome? Incinerá-los como fizeram os nazistas com os judeus? Não percebe que esconder a miséria em vez de tratá-la só adia o problema? Se você não quer moradores de rua na porta da sua casa deveria exigir que o governo cuidasse dessas pessoas -- e não falo de dar sopa não, sopa é só um paliativo para a falta de políticas públicas de combate à pobreza. Repressão não adianta nada, você expulsa uma família e chega outra mais numerosa; você bate em alguém e amanhã esse alguém vai rasgar o teu pescoço no sinal; você mata mil pessoas de fome e nascem duas mil para lembrar que você perdeu, playboy.

      Excluir
    7. proibir é um absurdo, o papel da sociedade é educar. se seu filho toma coca cola todo dia na escola é pq vc ou a sociedade não ensinou que faz mal. e aí proibir? uma vez na semana ñao mata. não acho que seja questão de saúde pública. acho mais questão de saúde pública a alimentação de quem não tem onde viver, daí vai lá e proibe doações… quer dizer.

      Excluir
  9. Concordo com João Pedro. Texto tendencioso.

    ResponderExcluir
  10. Faltou a proibição dos fretados que supostamente diminuiria o trânsito da região central, que este ano já bateu recordes dignos de Guinness!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado! São Paulo é a única cidade que prefere ter 40 carros ou mais circulando do que um ônibus fretado.

      Excluir
  11. Texto mal escrito e tendencioso, que modifica alguns contextos para confundir o leitor.

    Algumas proibições citadas nem chegaram a entrar em vigor, como a da garupa das motos.

    Outras, são tendência mundial como as que envolvem saúde publica. Impressionante como tem gente que ainda reclama da lei de fumo em locais fechados, por exemplo. Uma lei que beneficia a população como um todo.

    Mas, mesmo com derrapadas ignorantes e/ou mal intencionadas, esse texto toca num ponto importante: Tem muita coisa sendo proibida pela turma de Serra e Kassab

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola esse e o ponto importante. estamos sendo proibidos de tudo! de coisas boas e outras ruins. Acredito q esse seja mesmo o ponto do artigo q o autor quer chegar. Nao temos mais escolhas proprias. geande abraco. Marcel Bernal

      Excluir
    2. O que o texto discute são os extremismos. Ao invés de ficar proibindo se deveria investir mais em EDUCAÇÃO.

      Excluir
    3. certo, mas um ponto bom que seria a policia fiscalizando adolescente fugindo da escola, ja é levado pra outro lado... ninguém é tratado como marginal porque toma bronca ou é levado em casa dentro de uma viatura! isso está sendo feito pra educação dos jovens.

      Excluir
  12. Agora alguem por favor me explique...como um cara desse é eleito e RE-eleito?

    ResponderExcluir
  13. que a gestão dos sehores acima citados é infame ok, mas o texto possui certos exageros e é tendencioso em vários pontos. a história do jaleco é uma delas, sou totalmente contra médico ficar exibindo o seu status de sacerdote da vida e da morte.

    ResponderExcluir
  14. É curioso como os covardes nunca mostram o rosto ou revelam sua identidade. Medo do debate ou simplesmente trolls pagos para defender o indefensável? Como pode ser tendencioso um texto que apenas relata as proibições, inclusive dando links para que os leitores possam checar a veracidade das mesmas? No caso da garupa das motos: deixo claro, no texto, que a lei foi derrubada. O que causa perplexidade não é o fato de esta ou aquela lei proibitiva estar em vigor, mas o fato de ter sido aprovada ou quase aprovada em determinado momento. Leia com atenção da próxima vez. Outra: não reclamei da proibição do fumo em lugares fechados. Chamei a atenção para o absurdo de não se permitir que estabelecimentos tenham área reservada para fumantes (como acontece em todos os países democráticos do mundo) ou que se possa fumar na calçada. Você pode não gostar de cigarro, Anônimo, mas não pode jamais privar o direito individual de alguém que queira fumar ou de um comerciante que queira oferecer um espaço de seu bar ou restaurante para quem fuma. Se não existe este entendimento, para que democracia então? Repare, ainda, que 90% ou mais das proibições são totalmente estapafúrdias e autoritárias. Se você não acha um absurdo proibir um feirante de apregoar seus produtos, ou bancas de jornais de venderem outros produtos, ou entidades assistenciais de distribuírem sopa para moradores de rua, ou de um bar vender ovo mole se o cliente assim desejar... Desculpe, mas você é louco, masoquista ou protótipo de ditador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Matheus Vasconcelos28 de junho de 2012 16:03

      CURTIR hehehehehe

      Excluir
    2. Deve ser lavagem cerebral.

      Excluir
    3. Acho que o papel de qualquer jornalista é expor as informações que tem. Você correu atrás até de posts de 2008 sobre bananas. Pareceu que você fez uma bela pesquisa para justificar o título do artigo.

      E, quando falou do Rodoanel, achei que você perdeu a mão. Tirar os caminhões da marginal deixou ela, no mínimo mais segura pra população. Protesto de não entregar gasolina é igual a protesto aqui em Florianópolis dos servidores públicos que não querem bater cartão e trabalhar 8 horas conforme foram contratados.

      Para deixar claro, não sou a favor do Kassab e sua trupe. Não sou contra também. Não moro em SP faz 8 anos. Mas sou contra ser tendencioso para gerar uma revolta para algo que realmente não importa.

      Agora é eles, depois serão os próximos. Não importa quem esteja lá, se a educação base e a educação moral e cívica (matéria que no meu tempo havia o costume de ter poucos alunos na sala) não for o foco, nada muda. Enquanto não educar os moradores dessa terra privilegiada a utilizar a fantástica criatividade do jeitinho brasileiro do jeito certo, sempre haverá textos como os seus - o que na minha opinião é gasto desnecessário de energia tanto sua quanto de quem lê.

      Se essa energia fosse gasta em passar uma informação que, ao contrário de gerar revolta sobre o efeito, gerasse questionamento sobre a causa (que não são Kassab e sua gangue), poderia ter um efeito a longo prazo melhor.

      Entendo sua revolta e sua opinião. E acredito que você respeita também a minha.

      Um abraço!

      Excluir
    4. A imparcialidade é uma ideia estupida e falsa, que a grande midia nos fez acreditar. Toda informação que transmitimos sempre será guiada por aquilo que acreditamos ser o certo, seja ideologia ou qualquer outra crença. Ou seja sempre será tendeciosa a algo. E ser transparemente quanto a isso, ou seja, deixar isso claro, é um mérito. E aliás, das informações postadas aqui mesmo das mais antigas, nenhuma foi falsa.

      Quanto a proibição de caminhões, ela restringe o uso de caminhões dentro do centro expandido -área compreendida entre as marginais e a avenida dos Bandeirantes, e o trafego nas marginais em horarios de pico.


      Você disse que isso tras segurança, mas segurança para quem? Você acha que o prefeito Kassab estava preocupado na segurança de alguem? Ou ele estava preocupado em maquiar o ineficiencia e a falta de investimento do transporte publico paulistano?
      Além do mais, ao proibir a circulação desses caminhões, a unica pra´tica que ele faz, é aumentar os custos dos produtos.


      No final das contas, descrever o governo paulista/pauslistano como um governo com atitude quase fascistas é tão coerente e factual que dizer que uma maçã é vermelha.

      Excluir
    5. O texto é tendencioso sim. Como tudo nessa vida há pontos altamente questionáveis, mas isso não invalida tudo o que foi apontado.
      Por exemplo: Coibir os alunos que "matam" aulas. Tá certíssimo !
      Proibir venda de bebida alcoólica nas festas juninas da escola? Ta certo!
      Coibir a venda de alimentos não saudáveis? Use como exemplo a taxa de obesidade dos estado-unidenses. Além disso, há uma comoção mundial sobre o assunto.
      Vetar o tabagismo também foi uma boa medida e existem bares com áreas externas para fumantes (eu mesmo frequento um aqui em SP). Área para fumantes dentro de um estabelecimento é uma ideia ridícula (imagine você almoçando enquanto outra pessoa que já terminou está fumando ao seu lado).Além disso, o gasto gerado na saúde pública por doenças causadas pelo cigarro são significativos.

      Eu particularmente gostei da proibição de banners (e eu trabalho com publicidade).
      Existem várias coisas que devem ser mudadas, e vejo que muitos recursos e energia são gastos com projetos de pouca ou nenhuma importância, mas é a velha estória de sempre: Cabe a nós mudarmos isso.

      Excluir
  15. jovem... vc é louco... acho q o paranóico é você

    ResponderExcluir
  16. Cara, só esqueceu de mencionar q muitas das proibições começaram nos outros estados, como por exemplo o da lei anti-fumo e o das sacolas plásticas. Como outro leitos disse, tem umas decisões que nem foram postas em práticas. Pesquise um pouco primeiro antes de sair vendendo um texto como verdade absoluta. No mais, gostei 80% das decisões tomadas. Acho que uma ou outra realmente n tem justificativa plausível e tem que ser revista

    ResponderExcluir
  17. Deviam é proibir esses comentários.. Impressionante como tem fascista no mundo!

    ResponderExcluir
  18. Muitíssimo pertinente o texto!

    Não queria bater no seu texto, mas a lei anti-fumo prevê sim a abertura de estabelecimentos destinados somente a fumantes. Além disso, não pode haver toldos ou coberturas nas calçadas, pois seria um bem público apropriado por um ente privado.

    No mais, é interessante notar como muitas dessas medidas visam restringir a vida dos indivíduos apenas à propriedade privada (você pode fumar em lugares fechados, desde que seja em casa. políticas voltadas à população marginalizada procuram restringir a mobilidade desta, como se estas pessoas tivessem uma casa para ir, como se este tipo de politica fizesse essas pessoas desaparecerem). Esta é uma visão tipicamente de direita, a qual prega que se você não tem uma propriedade, quer dizer que você não trabalhou o suficiente para tê-la (a propriedade é uma expressão do indivíduo).

    ResponderExcluir
  19. Bacana, mas o Texto é muito tendencioso...Acho que coisas como proibições merecem uma analise profunda e não uma critíca simplista.

    ResponderExcluir
  20. Sao paulo ta parando

    ResponderExcluir
  21. Faltam palavras para comentar um absurdo desses...

    ResponderExcluir
  22. Excelente texto, bastante assustador,mas é isso mesmo que está acontecendo...vejo há tempos uma administração higienista,mas não me surpreende o que eles fazem, o que realmente me deixa surpreendida é o silêncio da sociedade, nós que moramos em São Paulo vemos todos esses horrores e as pessoas parecem compactuar com isso tranquilamente.Não entendi porque o Kassab ainda não instalou camaras de gás em todos os bairros, já que isso parece seguir sua lógica ariana de administrar.
    Com essa recente proibição em relação aos moradores de rua, bom, a maioria dos abrigos foi fechada,não tem albergues e muitos não aceitam moradores não cadastrados ou com animais, então poucos tem acesso,mas eu me pergunto, onde estão os direitos humanos internacionais ? Negar comida deveria ser crime,onde estão os observadores internacionais ?Ninguém percebe então como os moradores de rua vão sumindo, desaparecendo no meio da noite ? Sinistro mesmo.....

    ResponderExcluir
  23. Completamente IBECIL E RETARDADA a pessoa que eh contra a lei antifumo. O texto PERDEU TODA A CREDIBILIDADE por isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. iMbecil. E o autor não é contrário a lei antifumo e o texto não é sobre isso.
      Leia e interprete. O post não fala, nada mais, nada menos, da palhaçada que São Paulo está se tornando. Uma cidade de cultura única se transforma cada vez mais em uma cadeia em céu aberto.
      "São Paulo é uma cidade de loucos exatamente pelo fato de negar a seus habitantes o direito à cidade".

      Excluir
  24. So um pequeno comentário...direito individual vs direito coletivo. O estado de direito protege os direitos individuais mas o coletivo esta acima. Em SP, há muita revolta em cima de decisões para o coletivo simplesmente pq interferem no dia a dia da vida de milhões da classe media que aqui residem, como foi o caso da revolta a época da criação do rodizio. A questão das sacolas plásticas demorou para ser implantada e qdo inplantada gera essa revolta pq mexe no cotidiano das pessoas. E e justamente isto q a medida pretende: mudar hábitos e educar!!! Precisa se inteirar um pouco da situação brasileira de resíduos, a nova política nacional, entre outros antes de sair contra toda e qq medida simplesmente pq muda nossas vidas. Há mtos pontos q concordo com o texto mas foi tendencioso em vários pontos e faltou ir atras de algumas informações antes de sair batendo....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema mais grave não está exatamente na lei antifumo, ou na lei que proíbe sacolas plásticas nos supermercados. Creio que o texto deixa isso claro quando diz "algumas poucas proibições poderiam ser justificáveis". Graves são as proibições ou tentativas de implantar proibições de fundo higienista. Por mais que a prefeitura e o governo do estado neguem, a instalação de rampas anti-mendigos, a lei que proíbe doação de materiais recicláveis e a menção de se proibir a distribuição de sopa aos moradores de rua - só para ficarmos em três exemplos - escondem intenções muito mais sinistras do que simplesmente "educar" ou "mudar os hábitos" da população. Trata-se de criminalizar a pobreza e de forçar o êxodo destas pessoas em condição de miséria para bairros afastados do Centro ou mesmo para outras cidades. SP não tem um plano de combate à pobreza, mas um plano de combate aos pobres. Negar esta realidade é burrice ou má fé.

      Excluir
    2. O problema mais grave não está exatamente na lei antifumo, ou na lei que proíbe sacolas plásticas nos supermercados. Creio que o texto deixa isso claro quando diz "algumas poucas proibições poderiam ser justificáveis". Graves são as proibições ou tentativas de implantar proibições de fundo higienista. Por mais que a prefeitura e o governo do estado neguem, a instalação de rampas anti-mendigos, a lei que proíbe doação de materiais recicláveis e a menção de se proibir a distribuição de sopa aos moradores de rua - só para ficarmos em três exemplos - escondem intenções muito mais sinistras do que simplesmente "educar" ou "mudar os hábitos" da população. Trata-se de criminalizar a pobreza e de forçar o êxodo destas pessoas em condição de miséria para bairros afastados do Centro ou mesmo para outras cidades. SP não tem um plano de combate à pobreza, mas um plano de combate aos pobres. Negar esta realidade é burrice ou má fé.

      Excluir
    3. cara, não é burrice ou má fé... parece que alguns vivem no pais das maravilhas!
      eles não estão combatendo os pobres, os mendigos famintos, eles estão combatendo os mendigos drogados do centro de SP, que sujam, assaltam, transam na rua, andam semi-nus, xingam as pessoas, agridem, atrapalham o comercio e tudo isso na luz do dia, e a noite ganham um sopão maroto.
      a maioria não quer sair dessa vida, ficam na rua se drogando e fazendo filho e a situação fica cada vez pior e quem acha que todos são coitadinhos provavelmente nunca visitou o centro

      Excluir
  25. Tenho nojo de fascistas...Impressionante como sampa é um antro de fascistas..não é a toa que Kassab foi eleito e o Serra provavelmente será reeleito...Só tem reaça aqui!!!

    ResponderExcluir
  26. Bruno, parabéns pelo seu texto abrangente e muito esclarecedor!


    O que me deixa triste é ver a quantidade de gente que apóia este tipo de medida da prefeitura (os comentários facistas em cima do seu texto mostram essa situação).

    ResponderExcluir
  27. O texto PERDEU TODA A CREDIBILIDADE , por ser tendencioso. Nao morro de amores pelo pelo partido do governo de SP, e nem pelo partido do prefeito. Visitei Nova Iorque, e Sao Francisco, onde tambem existem a maioria dessas leis, que o autor repudia, e nem tao pouco as pessoas deixaram de fumar, mas respeitam quem nao fuma. Nao bebem na rua, e com isso nao emporcalham as esquinas com xixis e vomitos fedorentos. Sao Francisco o visual das casas e das calcadas e impressionante. O lixo e todo coletado em mini containers, e nao se ve morador de rua fuçando e espalhando o lixo. No Brasil vi medico com jaleco sujo de sangue frequentando restaurante, sem falar da contaminaçao. O interessante 'e que textos como este surgem justamente proximos as eleiçoes. Sao Paulo esta cada vez mais linda e limpa, amo Sao Paulo. Graças a estes governos Sao Paulo esta deixando de ser terra de ninguem. E muito dificil resconstruir o que foi destruido pelos governos anteriores, que garantiram a expansao das favelas em areas preservadas. Um exemplo de m'a gestao, no governo do PT de D. Erundina, que engavetaram o projeto pronto feito pelo entao prefeito Janio Quadros, e tamparam o tunel Ayrton Sena, que mais tarde foi reaberto pelo Maluf, e esta ai para todo mundo ver e usar. Nao importa a que custos, mas esta ai. Paulistas e Paulistanos, Migrantes e Imigrantes que adotaram esta terra como patria. Nao deixem aventureiros como Martha Suplicy e corja, tomarem novamente o poder. E ao Sr Bruno Ribeiro, autor do texto, deveria estudar um pouco mais a historia de Sao Paulo, e das grandes capitais do mundo. BATEU LEVOU. kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais linda e limpa? Você bebeu o que?

      Calçadas quebradas, falta de arborização, milhares de mendigos espalhados por todos os lados. Sao Paulo concentra sozinha metade dos moradores de rua do Brasil inteiro. Em São Paulo voce nao consegue comer algo na calçada sem ser atacado por um pedinte. São Paulo virou uma cidade entupida de mendigos, de lixo, de leis facistas, até porque o governo incentiva a mendicancia ao fechar albergues e nao investir um centavo para que existam albergues em boas condicoes. Como disse o autor do texto, combate o pobre e nao a pobreza. O numero de mendigos em São Paulo aumentou muito na epoca do Kassab.

      Meu caro, não é proibir que vai impedir de pessoas de vomitarem e ficarem bebadas na rua porque isso acontece em São Paulo o tempo inteiro. É investimento forte em educação e saúdes públicas.

      Excluir
  28. Que o Kassab use esse fascismo dele contra as pessoas que nao deixam a esquerda livre no metro! Só que contra isso nao fazem nada..

    ResponderExcluir
  29. Não morre de amores , mas apoia esses governos que criam essa situação caótica que se vê em SP, e depois criam leis pra exterminarem as pessoas que infelizmente são a causa de seus planos de gorverno . Pequeno burguês vc falou a respeito de Martha Suplicy e sua corja , mas ela é a responsável por boa parte da limpeza e ordem que se encontra em SP,e em relação a SR Erundina que fez um excelente trabalho político que pensou no povo no geral, e não só no visual e na segurança da classe burguesa , que se mostra limpa somente na aparência . Continuem apoiando esse tipo de governo , que cria a falta de saúde ,educação e bem estar pra maioria da população , que gera toda essa bagunça que tentam maquiar , uma hora não vai ter presídios pra comportar criminosos, e não vai ter polícia o suficiente pra prender e evitar , arrastões , sequestros e roubos na suas mansões.Muito boa a sua atitude de escrever esse texto meu caro amigo BRUNO RIBEIRO,estou de acordo com seu texto e estou a favor do debate e das diferentes opniões que se seguiram , o debate é importante para o progresso da sociedade, não te vi querendo BATER e sim levantar a opnião do povo em relação as medidas injustas desses políticos , e imagino que esse ultimo texto pobre e pretenciso não tenha te atingido.
    ACORDEM BRASILEIROS , e vejam as pessoas como seres humanos ,e não animais , o governo deve ser a favor do povo e não contra ele !

    ResponderExcluir
  30. Eu perdi a conta do número de comentários que critica o autor por causa da referência a Lei anti-fumo.


    Será que é tão difícil assim perceber que ele não se manifestou contra a Lei anti-fumo, e sim contra a proibição da existência de bares e restaurantes exclusivos para fumantes?


    Umas aulinhas de interpretação de textos não faz mal a ninguém...

    ResponderExcluir
  31. Logo logo sai uma lei municipal proibindo ler livros no metrô e nos ônibus, jogar futebol em praças públicas, correr (a pé) em vias públicas, beijar a(o) companheira(o) em local público, conversar na esquina da rua de noite...
    No ano que vem, o provável (lamentavelmente) prefeito José Serra institucionaliza um novo calendário, cujo ano 1 será 1984.

    ResponderExcluir
  32. Gostaria que ele proibisse o uso de carros com som alto nas ruas, principalmente na periferia, e festas domésticas que incomodam os vizinhos pelo uso de som excessivamente alto.

    ResponderExcluir
  33. Meu Deus. Quantas proibições. É politicamente correto demais para o meu gosto.

    ResponderExcluir